Embora tenham a responsabilidade de ensinar, as escolas são, em todos os aspectos, empresas, e como tais elas precisam tomar decisões administrativas importantes para além das questões da gestão pedagógica. São, portanto, dois papéis complementares, que precisam ser tratados — cada qual com sua devida relevância —, e cabe aos gestores saberem como diferenciá-los e planejá-los adequadamente.

Infelizmente, é bastante comum — especialmente em escolas particulares menores, de cursos livres, de línguas ou profissionalizantes — a gestão escolar ser preterida em relação à gestão pedagógica. Isso acontece porque há certo romantismo envolvido no ensino, que nubla a visão pragmática negocial e pode, pela desorganização administrativa, causar sérios danos à instituição de ensino, levando-a eventualmente à falência.

Portanto, é preciso compreender as diferenças entre essas duas áreas gerenciais, assim como a forma como se integram. Continue a leitura do nosso artigo e saiba mais sobre o assunto!

Qual é a diferença entre gestão escolar e gestão pedagógica?

A gestão escolar de uma instituição de ensino se volta para cuidar de toda a parte técnica e administrativa do gerenciamento empresarial. Ou seja, ela cuida da parte-empresa de uma escola, que engloba as diversas situações fora da questão do ensino e do planejamento pedagógico.

A gestão escolar lida com as finanças, os fluxos de caixa, a organização dos funcionários, os pagamentos, as aquisições e tudo o que se relaciona à administração da instituição de ensino.

A gestão escolar geralmente é responsabilidade do gestor administrativo da escola, levada a cabo pelos profissionais que lidam com a parte de finanças, jurídica, almoxarifado ou outras que não tenham correlação direta com a parte educacional.

Enquanto a primeira foca em questões administrativas, a segunda direciona os esforços para a prática pedagógica de fato, que é a missão primordial da escola e a sua atividade-fim.

O ensino é o cerne negocial das escolas, que organiza o sistema de ensino, o planejamento de currículo e as ementas de aula, as escalas de professores, a decisão sobre o material didático etc.

A gestão escolar é a base da organização da instituição que permite que a gestão pedagógica possa realizar seu objetivo. A gestão pedagógica é a parte da escola que efetivamente realiza o serviço e pela qual os pais ou alunos se interessam e confiam na instituição. Logo, as duas são complementares e devem receber a devida atenção.

Como funciona a gestão escolar?

A gestão escolar funciona como o controle administrativo de qualquer empresa, ou seja, tem que lidar com as questões financeiras, legais, tributárias e burocráticas, assim como o controle interno dos funcionários, do caixa, das despesas e outros. É a atividade-meio da escola, que lida com os recebimentos e pagamentos, além das decisões estratégicas de negócios. Isso inclui, por exemplo, a área de marketing educacional, a captação dos alunos e os procedimentos de matrícula executados pela equipe de vendas.

Logo, é responsabilidade da gestão escolar elaborar e cumprir o plano de negócios, o plano de ação, o alocamento de recursos financeiros e humanos, o cuidado com os livros de caixa, a administração de pessoal, a contratação e a demissão de funcionários, o planejamento estrutural da escola e a saúde financeira da instituição.

Como é a gestão pedagógica?

A gestão pedagógica envolve o coordenador pedagógico, os professores e preferencialmente a comunidade escolar, que pode opinar e ajudar no processo de construção conjunto. É, essencialmente, a missão e o serviço que a escola presta aos clientes, ou seja, os alunos.

A gestão pedagógica, nesse sentido, é a forma como a escola trabalha as estratégias e os métodos de conteúdo para as aulas, a realização de avaliações seriadas, a preparação de estudantes para vestibulares ou para o mercado de trabalho, as técnicas de ensino especializado e toda a parte programática de educação. É, enfim, o produto da escola e o seu motivo de ser.

Como implementar uma gestão pedagógica de boa qualidade?

Uma gestão pedagógica eficiente é planejada desde antes do início do período letivo, levando em consideração a missão e os valores da escola, seguindo os parâmetros mínimos do Ministério da Educação e Cultura (MEC). Além disso, esse planejamento inicial será constantemente revisado ao longo do ano.

Algumas das boas práticas para isso são:

  • treinamento das equipes de diretores e professores da escola, para conhecerem e desenvolverem o projeto pedagógico;
  • planejamento estratégico das metas pedagógicas de cada bimestre por cada matéria e de acordo com o nível de desenvolvimento da turma;
  • uso de novas tecnologias e ações inovadoras junto à gestão pedagógica, a fim melhorar o aprendizado e a experiência dos alunos, visando o melhor aproveitamento e absorção de conteúdo;
  • planejamento de reuniões regulares de coordenações por áreas pedagógicas, para a discussão de casos concretos, troca de informações e experiências sobre as turmas com os professores;
  • delegação de funções de coordenação ou subcoordenação por áreas de ensino, a fim de facilitar as discussões entre os responsáveis pela parte pedagógica entre si e com a comunidade escolar;
  • realização de reuniões abertas de discussão das metas pedagógicas, das estratégias de ensino e obtenção do feedback dos clientes, fazendo com que a comunidade escolar seja parte da construção do projeto;
  • escolha das metodologias de ensino a serem aplicadas na execução do projeto;
  • realização das análises de desempenho e resultado das turmas e também dos profissionais envolvidos no ensino, como os professores, coordenadores e diretores, para identificar pontos de melhoria e de aproveitamento.

Um projeto pedagógico é complexo e demanda conhecimentos específicos das áreas acadêmicas e de magistratura. Um projeto escolar precisa de profissionais que consigam cuidar da parte administrativa e burocrática da escola. Apenas na comunhão dessas duas formas de gestão é que a instituição de ensino pode efetivamente alcançar o sucesso.

O principal ponto em que essas duas áreas se encontram é em relação aos clientes da escola — os alunos. Seja na gestão pedagógica, seja na gestão escolar, é preciso atrair, cultivar e engajar os estudantes, a fim de promover o crescimento da instituição de ensino. Uma escola com as partes administrativa e educacional reconhecidas por sua excelência facilita os processos de captação de alunos.

Gostou de saber um pouco mais sobre as diferenças entre a gestão pedagógica e a gestão escolar? Então compartilhe este artigo nas redes sociais para que outras pessoas tenham acesso a essas informações!